4/eNHo3nrWiAQmqsMavrUtkjbWw5hehohewMMvbT625jQ.srfgwVWEORcfaDn_6y0ZQNiqObxMmQI

Consultoria Estratégica & Outsourcing

CEO Grupo Consultoria

Giro de Estoque

l2

Giro de Estoque

 

Então, vamos colocar esse estoque para girar? Apesar da contabilidade ficar responsável em calcular o giro para efeito do balanço, é prudente, tratando-se em Gestão de estoques que o gestor saiba calcular para evitar possíveis excessos.

Especialistas afirmam que um dos erros mais comuns é que o giro é calculado erroneamente e traz uma real sensação de giro maior do que realmente acontece, e isso é um erro perigoso.

 

ATIVOS CIRCULANTES

Identificar os ativos circulantes, que são aqueles que serão transformados em dinheiro nos próximos 12 meses, é uma estratégia inteligente, visto que tudo que interessa é renovar, e portanto DINHEIRO interessa, ESTOQUE interessa e CRÉDITOS A RECEBER interessam.

Ciclo Operacional

Ciclo Operacional

 

Cálculo do Estoque

 

Existem duas formas para calcular o estoque:

 

  1. Custo – O valor pago pelos itens que fazem parte desse estoque;
  2. Valor Líquido realizável – Soma dos valores que foram vendidos os estoques, livre das despesas.

 

 

O que não se pode deixar de entender é que o giro ele é referenciado no tempo, e portanto é um conjunto de fatos que tem:

 

  1. Um valor no INÍCIO;
  2. Um valor do PERÍODO girado;
  3. Um valor no FIM do período.

Outro detalhe importante é que há vários tipos de giro, podendo ser de PRODUTO, MATERIAIS E MERCADORIAS.

 

Por exemplo, no COMÉRCIO pode-se calcular > COMÉRCIO =    custo das mercadorias vendidas/Média dos inventários de Mercadorias

 

Já na indústria > INDÚSTRIA = custo das matérias aplicadas/média dos inventários de matérias


 

Fonte: Gestão de estoques – ação e monitoramento na cadeia de logística integrada, MOURA, Cássia, RJ, Ed. Ciência Moderna, 2004.

#SérieGestãoDeEstoques #Cap04

Share:

No Comments Yet.

Deixe uma resposta