4/eNHo3nrWiAQmqsMavrUtkjbWw5hehohewMMvbT625jQ.srfgwVWEORcfaDn_6y0ZQNiqObxMmQI

Consultoria Estratégica & Outsourcing

CEO Grupo Consultoria

fevereiro 22, 2015

A economia no processo de tomada de decisões nas organizações

Para compreender a importância das decisões no gerenciamento organizacional se faz necessário sistematizar práticas estabelecidas no planejamento estratégico e observar os benefícios que elas trazem. O grande desafio enfrentado pelas pequenas e grandes organizações tem sido o processo de tomada de decisões que devem estar estruturadas e estabilizadas para minimizar as incertezas percebidas pelos gestores nesse processo.

A visão contingencial da organização e de sua administração indica que uma organização é um sistema formado de subsistemas e marcado por limites identificáveis em relação ao seu ambiente. Segundo CHIAVENATO o significado da palavra Contingência é visto como algo incerto ou eventual, que pode acontecer ou não.

De forma mais vasta, a teoria da contingência estabelece que não existe uma estrutura organizacional única que seja altamente efetiva para todas as organizações, a mesma varia de acordo com determinados fatores.

Fonte: dtcom.com.br

Fonte: dtcom.com.br

O estudo da tomada de decisões sob incerteza foi incorporado à teoria da economia a partir de 1944 com o livro Theory oGames and Economic Behavior, escritos pelos matemáticos e economistas Oskar Morgenstern e Jonh Von Neumann que fala sobre a teoria matemática dos jogos, baseado na teoria dos jogos de estratégia.

Fonte: press.princeton.edu

Fonte: press.princeton.edu

Diante da inovação dos autores foi possível aplicar a teoria da escolha diante da maximização da utilidade em um cenário de incerteza, ou seja, os resultados possíveis são medidos pela probabilidade da ocorrência de cada um deles.

Para as organizações quando se trata de investimento a decisão econômica é poupar, a ideia é um grande retorno diante de uma pequena alocação de recursos que resulta em maior rentabilidade, e maior rentabilidade garante mais recursos e disponibilidade entre consumo presente e consumo futuro, é importante salientar que quanto maior o investimento maior o risco. Em uma organização os agentes irão buscar ativos com menor volatilidade em seus retornos, ceterisparibus, ou seja, tudo o mais constante.

Fonte: wiredcosmos.com

Fonte: wiredcosmos.com

O risco total dos ativos é dado pela variação de seus retornos, técnicas de administração têm a intenção de auxiliar no conhecimento das estruturas de mercado e economia de escala, a qual pode ser um elemento decisivo para permanência da empresa no ambiente e consequente redução dos riscos.

Diante das estratégias as organizações precisam adequar a sua estrutura aos fatores contingenciais e ao ambiente. A diversificação, adequaçãoe desburocratização na estrutura funcional, demonstra que as contingências mudam em favor do crescimento quando deixam de responder à complexidade das decisões, através de uma relação funcional entre as condições do ambiente e as técnicas administrativas para o alcance eficaz dos objetivos.

fevereiro 10, 2015

Governança no Setor Público

A Constituição Federal no artigo 175 determina que o poder público está incumbido de prestar serviços públicos com devida qualidade, ainda na Constituição, inciso I, § 3º, artigo 37 pode ser verificado os padrões de qualidade obedecendo ao princípio de eficiência e adequação para que esses serviços sejam melhorados, regulados e disciplinados quanto à forma de participação do usuário na administração pública direta e indireta. Para garantir a efetividade da prestação desses serviços é necessário que haja fiscalização nas operações do Estado, ou seja, o controle dos recursos com a fiscalização contábil, financeira, orçamentária e outras, para a produção do melhor resultado possível.

A governança corporativa que trata-se de um conceito relativo ao modo como a administração é dirigida e controlada em função da abordagem econômica e social para nortear a administração pública à realizar a prestação dos serviços de forma adequada, cada instituição pública gerencia recursos para implementar e manter os serviços, nesse caso chamado de poder de governabilidade. Nessa situação pode ocorrer a utilização do poder em favorecimento próprio e detrimento ao interesse público que causa como conhecemos um “conflito de agência” por essa razão deve existir uma limitação no poder do dirigente e conceder governança aos mais interessados na instituição pública, os cidadãos brasileiros.

É possível implementar na administração pública processos organizacionais com o objetivo de fornecer serviços de qualidade, para isso, foram desenvolvidos programas que dimensiona e origina a governança e a gestão, na Gespública (Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização) em 1995 foi criado o QPAP ( Programa de Qualidade e Participação na Administração Pública), que se compromete com a sociedade estabelecendo diálogos estratégicos que efetivamente serão transformados em benefícios para os cidadãos através do maior envolvimento da alta administração e implementado através de políticas públicas.

A governança no setor público federal é norteada por quatro princípios:

Transparência com o objetivo de divulgar e disponibilizar as informações aos cidadãos.

Equidade que demonstra o tratamento igualitário sem privilégios em relação aos outros por causa de interesses espúrios.

Prestação de Contas para evidenciar os resultados alcançados aos interessados, especialmente aos cidadãos.

Responsabilidade Corporativa que compromete a alta administração a manter a sustentabilidade e longevidade, considerando a ordem social e ambiental nos negócios e operações.

A participação e influência dos cidadãos em uma instituição pública pode ser percebida através de algumas práticas de governança que podem ser vistos através de Conselhos, SAC, Ouvidoria e alguns processos de gestão legais para gerir a aplicação dos serviços e recursos reconhecendo o maior valor agregado e redução do risco. Com a gestão do risco os impactos negativos são minimizados através de controles internos e a utilização dos recursos dão melhor retorno a sociedade, ou seja, economicidade e prevenção. A partir disso podem ser definidos indicadores e metas que asseguram a execução e desempenho para produzir o melhor resultado final ao menor custo possível, ao mesmo tempo assegurar a gestão das pessoas atuantes nos órgãos para que sejam mantidas e motivadas as normas como adoção de boas práticas com foco na qualidade da prestação do serviço.

Priscila Brandão.